Blog

São Thomé das Letras: Cidade Mística no centro do Brasil

No estado de Minas Gerais, há 1.440 metros de altitude, está São Thomé das Letras. Essa pequena cidade também é chamada de Cidade Mística, pois acredita-se que nela há um ponto energético muito forte, o qual atrai turistas, espiritualistas, místicos e também amantes da natureza.

São Thomé das Letras possui belezas naturais exuberantes e peculiares, sendo rodeada por cachoeiras naturais, grutas e outros fenômenos rochosos datados de milhões de anos. Chegar lá não é uma tarefa fácil, sendo que a distância por rodovia entre São Thomé e as capitais do sudeste brasileiro variam: Vitória – 814 km; São Paulo – 355 km; Rio de Janeiro – 330 km; Belo Horizonte, 364 km.

O nome da cidade tem origem em uma lenda antiga. Um escravo certa vez fugiu da propriedade do Barão de Alfenas, e se instalou numa gruta. Na gruta ele teria encontrado uma estátua de São Thomé junto a uma carta de escrita perfeita. O escravo levou a carta ao seu dono que, impressionado com o ocorrido, lhe concedeu a carta de alforria e ordenou que fosse construída uma igreja ao lado desta gruta. Hoje a igreja Matriz continua lá, ao lado da gruta de São Tomé.

Igreja Matriz. (foto por Chicow)

Construída em 1785, as pinturas internas da igreja são do estilo barroco, com paredes e pinturas revestidas em ouro. O trabalho artístico é atribuído a Joaquim José Natividade, discípulo de Aleijadinho. Entretanto esta não é a única gruta que possui uma lenda. Na região existem várias grutas, muitas delas com passagens subterrâneas que são desconhecidas e ainda não foram mapeadas pelo homem.

A Gruta do Carimbado é uma delas. Diz a lenda que esta gruta possui um caminho que leva até a antiga cidade Inca de Macchu Picchu, no Peru. Tal lenda tem origem na última aparição de Chico Taquara, um antigo curandeiro de São Thomé. A última vez que o curandeiro havia sido visto seria na Gruta do Carimbado. Seu desaparecimento nunca foi esclarecido, mas dizem que algum tempo após seu sumiço, foi visto em Macchu Picchu, no Peru…

Um vislumbre de Shangrilá. (foto por Chicow)

Chico Taquara é uma personalidade que existe no inconsciente coletivo dos moradores de São Thomé, aparecendo em várias lendas locais. Dizem que, certa vez, a mulher de um homem estava passando mal e pediu a ele buscasse Chico para ajudá-la. A viagem até a gruta de Chico levava mais de uma hora, e o homem foi buscar o curandeiro às pressas. Ao chegar na casa dele notou que não estava lá, e voltou para sua casa. Ao retornar, sua mulher disse que Chico havia aparecido e ido embora a cerca de uma hora, porém seu marido não havia sequer encontrado com Chico Taquara em momento algum do caminho.

Essa história é uma demonstração de que Chico Taquara desafiava a variável tempo-espaço. Mas este não é o único poder místico atribuído a Chico. Outra história diz que ele morava longe da Vila, em uma caverna, e só ia à cidade para comprar querosene, pois gostava de manter acessas as tochas da caverna onde vivia. Certa vez, o dono da mercearia onde Chico comprava querosene quis pregar-lhe uma peça. A intenção do comerciante era ver Chico nervoso, vê-lo xingar, coisa que ninguém nunca havia ouvido. Para isso, ele trocou o líquido do recipiente de querosene por água, e Chico, sem saber de nada. Quando demarrou o líquido em suas tochas, elas acenderam do mesmo jeito…

Cruzeiro (mirante). (foto por Chicow)

Na cidade é possível andar até alguns pontos tidos como turísticos graças aos magnetismo que esses locais possuem, deslocando as pessoas para vivenciarem os encantos que a natureza desses locais possiblitam aos seus sentidos. No Mirante é possível ter uma visão de 360 graus da região, sendo um local excelente para observar o movimento das estrelas e planetas. Deste monte dá pra perceber o quão alta é a cidade, pois dá a impressão que é possível alcançar as nuvens, de tão próximas do chão que elas se encontram. Próximo ao Mirante está a Casa da Pirâmide, um ótimo lugar para observar o céu também. Feita de uma pedra muito encontrada no local, o quartizito, essa construção é interessante e diferente por possuir teto piramidal.

Em uma das saídas da cidade, descendo pelo asfalto por uns quinze minutos, chega-se ao Vale das Borboletas. O local, surreal por sua natureza, possui toda uma estrutura natural que remetem a escadas de barro e corrimãos que podem ser improvisados nas raízes sobressalentes das árvores. Essas estruturas naturais auxiliam os aventureiros a descerem para a piscina natural de pedras e água gelada, com direito à massagem proporcionada pelo filete de água que jorra entre as pedras e raízes…

Vale das Borboletas. (foto por Alexandre Barcelos)

Quero receber mais informações do coletivo

Creative Commons License by-nc-nd Expurgação 2007-2015