Blog

Modernismo: poesia quase visual

O Modernismo foi um movimento artístico heterogêneo que provocou mudanças significativas nas artes e na cultura do Brasil. O movimento envolvia a literatura de Mário de Andrade e Oswald de Andrade, a música de Heitor Villa-Lobos, a pintura de Anita Malfatti e Di Cavalcanti, e a escultura de Victor Brecheret, entre outros artistas. A Semana de Arte Moderna de 1922 é considerada o marco inicial do Modernismo

brasileiro que, concebido pelas artes plásticas e com forte presença literária, buscou uma renovação estética baseada nas vanguardas européias. Além disso, o movimento adquiriu um forte interesse pelas questões nacionais, principalmente a partir da Revolução de 1930, ou Golpe de 1930. A ruptura definitiva com a arte tradicional e com a escrita pomposa se deu de maneira escandalosa, entre vaias e aplausos.

A priori o Modernismo se opôs ao Parnasianismo, um movimento artístico coexistente que cultivava a poesia formal. Os modernistas propuseram uma renovação radical na linguagem e nos formatos. O pensamento importado da Europa se baseava na idéia de arte como um “processo universal” (índole internacionalista). A partir dessa idéia de produção cultural integrada e desenvolvimentista, os modernistas abandonaram a cultura rural estabelecida no Brasil negando o intimismo subjetivista presente nos romances. A intenção era elevar a cultura local para perto do progresso social dos países mais desenvolvidos.

No entanto, a economia brasileira dependia do mercado externo, principalmente do mercado europeu. A política nacional atendia somente a interesses locais das oligarquias (política do café com leite), e a sociedade estava dividida entre coronéis, explorados e cangaceiros. Esse contexto histórico conturbado exigiu uma nova postura dos artistas brasileiros diante da realidade – a busca por independência era inevitável.

Assim, o Modernismo buscou criar uma nova posição ideológica que condizia com o capitalismo industrial (comunicação de massa e avanço técnico), com as políticas imperialistas (totalitarismo) e com influência socialista. Entre os fatos artísticos mais importantes desse período estão: a publicação da “Revista Klaxon”, que divulgava as idéias modernistas, e o lançamento de quatro movimentos culturais: o Pau-Brasil (primitivista), o Verde-Amarelismo, Anta (nacionalismo ufanista), e a Antropofagia (devoração simbólica da cultura do colonizador europeu).

O Movimento Antropofágico lançado por Oswald de Andrade se destacou entre os demais movimentos pela proposta inovadora que prometia resolver os atrasos da nação, ou seja, avançar sobre a cultura do colonizador europeu. Essa era a estratégia de Oswald para despertar o país para o desenvolvimento de uma sociedade original, auto-suficiente e industrial. Foi um movimento criado a partir da imagem do quadro “Abaporu”, da artista Tarsila do Amaral. Segundo Oswald de Andrade, o quadro traduzia exatamente o conceito escrito por ele, como se houvesse uma integração natural entre um conceito verbalizado e a pintura, fato que materializou uma forma de relação da literatura com as artes plásticas no Brasil. Também podemos dizer que essa relação fortaleceu o movimento em seu conceito e assimilação, elevando o potencial político e midiático do movimento.

Para Oswald de Andrade, o ritual antropofágico dos “índios” brasileiros (Tupi e Tupi Guarani) era o exemplo a ser seguido pelos intelectuais brasileiros que deveriam “devorar” os avanços culturais e técnicos conquistados pelas nações ricas. “Só interessa o que não é meu; lei do homem; lei do antropófago”, concluiu o Oswald de Andrade em 1928. Um dos avanços mais interessantes na estrutura do poema de Oswald de Andrade foi a forma como a pintura se relacionou com um manifesto textualizado. Isso permitiu que a comunicação verbal se desdobrasse em outros sentidos, mais expressivos, independentemente da ordem de surgimento (quadro, manifesto, poema, música). Além disso, é importante destacar a utilização de uma nova dinâmica verbal revelada pelos “poemas-pílula” ou “poemas comprimidos“, de Oswald de Andrade, que tinham o poder de sintetizar séculos de história em alguns versos. Esses poemas ficaram marcados pela utilização do humor, da ironia e do deboche. De acordo com Philadelpho Meneses (1998), os “poemas-pílula” foram uma referência para a produção concretista iniciada em 1952, visto que representavam a mudança mais significativa na linguagem do poema brasileiro naquela época.

Infelizmente o contexto brasileiro se tornou mais hostil quando a Crise da Bolsa de Nova Iorque de 1929 e o nazifascismo foram instaurados provocando uma grave crise no Brasil. Desarticulado, o país acumulou prejuízos no mercado internacional por não conseguir exportar o seu principal produto. Talvez por isso, o Modernismo viveu uma nova fase a partir de 1930. Entre os artistas mais importantes dessa fase estão: Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Jorge de Lima, de Vinícius de Moraes e Murilo Mendes. A poesia dessa fase reagiu contrariamente aos caminhos propostos pelos artistas da primeira fase – a própria importância de Oswald de Andrade foi ofuscada. Isso ocorreu de duas formas: através dos romances regionalistas guiados pelo nacionalismo exagerado e xenófobo, e por meio da retomada da versificação e da temática lírica intimista.

Outra característica bem definida nessa fase foi a produção de poemas de questionamento, através de um estilo literário mais construtivo e politizado, atrelado às disputas do homem moderno e ao sentimento de “estar no mundo” – preocupações relativas ao destino dos homens. Também é possível notar a utilização da poesia sintética que tratava “da síntese para traduzir o pensamento”, segundo a poetisa Helena Kolody (1941). Um exemplo disso foi a utilização do Haikai, um estilo poético de origem japonesa que valoriza a concisão e a objetividade no poema.

Posteriormente, essa comunicação sintética foi bem aproveitada pelos concretistas e pela linguagem publicitária. O universo temático repercutiu na forma de crítica social e de autocrítica, mas o poema desse período não conseguiu atingir a condição de poesia visual, visto que o retrocesso da segunda fase modernista impediu que os poetas brasileiros experimentassem elementos gráficos na produção poética, ou que tomassem conhecimento do campo visual do poema.

Quero receber mais informações do coletivo

Creative Commons License by-nc-nd Expurgação 2007-2015